A Nossa Nistória

O início

Historia Rieju Em 1934, Don Luís Riera Carré e Don Jaime Juanola Farrés, dois jovens empresários, iniciaram a sua aventura empresarial com o fabrico de acessórios para bicicletas. Da fusão dos dois apelidos, nasceu a marca RIEJU (RIEra+JUanola).

Começaram a comprar o terreno para a construção da fábrica, mas a guerra civil espanhola frustrou os seus planos. O governo republicano apreendeu o navio inacabado, que serviria como uma frota de camiões. No decurso da guerra, foi construído um segundo andar sobre a fábrica já construída, que foi considerado um pagamento de juros quando as instalações foram devolvidas.

Finaliza la guerra civil

Após o fim da guerra civil espanhola, a RIEJU reinicia a sua actividade industrial, com a criação de acessórios para bicicletas, iniciada em 1934.

Começa o fabrico de veículos

Em 1942, o pai de Salvador Dalí foi o notário responsável por atestar a criação da empresa RIERA Y JUANOLA, S.L. (RIEJU), constituída como uma sociedade anónima com um capital social de um milhão de pesetas.

Os componentes ainda estão a ser fabricados e comercializados (Helios para equipamento eléctrico ou Rigit para guiador), e as primeiras bicicletas RIEJU estão a ser construídas, utilizando as marcas EMPORIUM e MARATHON. Nessa altura, eram fabricadas em média 30 bicicletas por semana com cerca de 35 empregados (este era o plano de negócios apresentado na Delegação da Indústria).

Nasce a primeira motocicleta, número 1.

Historia Rieju O que mais tarde seria chamado "ciclomotor", foi o primeiro produto RIEJU em 1945: uma bicicleta com um motor auxiliar de 38cc. 4T (motor Serwa francês), com transmissão directa para a roda traseira e duas velocidades. Desenvolveu 1 CV, atingindo 40Km/h. O Nº1 foi fornecido com um depósito de gás cromado e soldado à mão, vernizes... e uma montagem semelhante à ideia de "Rolls-Royce" (peça por peça com excelência), fez com que a RIEJU iniciasse com sucesso a sua aventura empresarial no mundo das duas rodas com motor.

1949: Concebemos o motor do n.º 2

A partir do Nº1 de 1945, passamos a fabricar o nosso primeiro ciclomotor RIEJU com um pequeno motor francês 4T com transmissão independente no qual o motor de 50cc já estava acoplado por uma embraiagem e tinha uma caixa de velocidades, concebida e desenvolvida pela RIEJU. Isto aconteceu em Julho de 1949, quando o nosso Nº2 nasceu.

A Nº2 foi uma das motocicletas mais conhecidas da época, e sem dúvida é uma das nossas motos históricas mais apreciadas.

A constante evolução da situação

No ano seguinte, 1951, apareceu a Nº3: ciclomotor completamente diferente do anterior, exceto na parte de motor. E em 1952, a Nº4 como modificação estética do anterior modelo. Os avanços e melhorias sucediam-se muito rapidamente, aperfeiçoando o conjunto motor RIEJU e dotando-a de atributos tipológicos próprios de motocicleta. A constante naquela época era a melhoria e evolução. Entre 1950 e 1955, foram produzidos mais de 21 protótipos e utilizados processos de controle de qualidade tecnológica. Na RIEJU, a aposta pela qualidade foi um objetivo claro desde o início, como valor competitivo e com o que fazer a diferença.

A primeira motocicleta 100% RIEJU

Historia Rieju

Em 1953 nasce a RIEJU 175cc. com motor AMC 4T. O modelo era de cor preta rematado com linhas em ouro, e possuía suspensões (garfo dianteiro telescópica hidráulica e suspensão traseira oscilante com amortecedores hidráulicos). Para a motorização foi necessário chegar a um acordo com o fabricante de motores AMC, já que a RIEJU tinha pouca experiência nesse tipo de motores para poder fabricá-lo diretamente, bem como com FITA de Figueres (onde foi fabricado sob licença). A 175 foi baseada na GIMA 175, mas após a adaptação e fabricação na RIEJU revelou-se mais leve, fácil de manusear e de resposta suave sendo especialmente confortável para estradas. Além disso, conseguiu-se que tivesse um consumo muito razoável (devido às melhorias realizadas no motor RIEJU), facto que propiciou as vendas deste modelo, construindo 5.000 unidades entre 1953 e 1961, seguindo -o chassis- a sua carreira comercial impulsionado por outra motorização (Hispano Villiers) por mais 4 anos, produzindo 1.000 veículos por ano. A grande demanda por parte dos distribuidores e a solidez da RIEJU 175cc. deram grande prestígio à marca.

Desta forma tão estudada, a RIEJU sobreviveu na sua modéstia enquanto em Espanha sucumbiam alguns gigantes do sector, sempre fiel à sua ideia inicial de recorrer aos melhores em cada momento.

A scooter não foi compreendida

Historia Rieju

Em 1956 começou a trabalhar com uma scooter, baseado no motor AMC 50 e 125cc. e tomando como referência o sulky francês alta scooter roda. Em 1958 RIEJU apresentou sua versão comercial desse projeto de scooter, que viu a luz com o nome de ISARD: um híbrido entre motocicleta e uma scooter, com uma estética muito peculiar. Este modelo conduziu à marca para um pequeno desastre, já que não teve nenhuma aceitação comercial. Uma estética tão arriscada a par do empenho em introduzir no mercado um produto de acabamentos perfeitos (que encareciam excessivamente o seu preço de venda) e a pouca acessibilidade mecânica, fez com que a RIEJU tivesse que abandonar a produção em 1960, com poucas unidades vendidas.

Também não teria êxito a TAHON (SPORT 125), cópia da francesa Derny Taon ligeiramente modificada e com motor AMC de 2 tempos. Curiosamente, hoje em dia é uma das motocicletas mais admiradas -por sua peculiar estética- de nossa coleção para quem nos visita, assim como também no "Museu da Moto de Basella" (exposição "Motos da pós-guerra", fevereiro 2006-2007).

Tempos melhores

Historia Rieju

Em 1958, foi acrescentado à gama RIEJU o modelo JACA Sport 125cc. Muito esportivo para a época, com jantes de alumínio, guiador e assento de corrida, tambor de freio refrigerado...todo um luxo ao alcance de muito poucos, pois seu preço era muito elevado. A RIEJU compreendeu rapidamente onde residia o problema à pouca resposta em vendas (era admirada mas não tinha o êxito desejado comercialmente), lançando no mercado em 1959 a JACA de 125cc. Esta, era uma versão turismo sem os extras do SPORT, que teve uma excelente aceitação.

O modelo JACA de 1959 (equipado com motor AMC 125cc. 2T), com um aspecto muito mais conservador do que a sua antecessora, devolveu o sucesso à RIEJU, vendendo-se cerca de 3.200 unidades entre 1959 e 1963.

Em Itália e no ciclomotor

As matrículas em Espanha, sofrem uma forte queda em 1960. O motor de 175cc. já não é atrativo para os públicos, e estes reclamam um novo modelo; aquilo que triunfava naquela época na Itália: veículos de pequena cilindrada. A porra da moto, cara. Conhecedores destas preocupações, na RIEJU procuram soluções na Itália, onde encerram um acordo com a MOTORI MINARELLI, pelo qual a RIEJU se fazia com a importação exclusiva dos motores e partes para a Espanha dessa marca.

Historia Rieju

1964. A segunda fase RIEJU

Em 1964, poderia dizer-se que a segunda fase da RIEJU começou, pois - ao rubricar o acordo de 1960 - obteve a licença de fabrico para os motores italianos em Figueres. Isto marcaria um antes e um depois, já que a RIEJU ainda hoje monta em todos os seus ciclomotores de origem MINARELLI.

Historia Rieju

Começou a fabricação sob licença dos motores Minarelli em Figueres (nas indústrias FITA), com um plano para produzir progressivamente o motor completo. O primeiro fruto com essa motorização foi uma Versão JACA com um motor de 3,5 cv e uma velocidade máxima de 70 Km/h. que teve de ser limitada à entrada em vigor de uma nova lei sobre ciclomotores a 40 km/h. Ao trabalhar, os motores RIEJU, muito abaixo de suas possibilidades fez com que se tornassem quase "indestrutíveis", fato que provocou que organismos oficiais estatais como os Correios de Espanha passassem a utilizar RIEJU.

Do acordo MINARELLI-RIEJU nasceu toda uma série de motociclos e ciclomotores RIEJU, que conseguiram superar as irregularidades cansativas das estradas em Espanha nos anos 60 com grande solvência.

Até 1971 foi produzido o modelo P3A, ano em que apareceu sua versão rural (off-road). Em maio de 1974, iniciou-se a produção dos modelos CONFORT 400, CONFORT 402 e TT 402, todos eles atualizações dos modelos anteriores, como o GT 404; um ciclomotor com quadro de duplo berço muito mais moderno.

Ampliando a gama de produtos

Historia Rieju Em 1976,1977 foram anos de constantes aparições de novos modelos, algumas melhorias de anteriores, evoluindo as primeiras motocicletas de todo-o-terreno, com as quais mais tarde RIEJU iniciaria seu caminho no mundo da competição conseguindo seus primeiros êxitos. Nesses anos nasceram os modelos CONFORT e TT 503, CONFORT 501 e TT 504; mudanças estéticas das anteriores.

Bem-vindos de volta à competição

Quando em 1978 apareceu a TT 406 como evolução da anterior TT, com motor de 74 cc. MINARELLI, pensou-se em levá-la ao mais alto em competição todo terreno. E assim foi. RIEJU começou uma aventura bem sucedida participando de seu primeiro campeonato da Espanha de Enduro na categoria 75cc. (chegando a obter um total de 12 campeonatos nacionais nessa modalidade ao longo de sua história).

Historia Rieju

Nesse ano, foi feita uma tentativa no segmento do ciclomotor automático, sem muito sucesso.

Olá, Marathon, sou eu!

Historia Rieju

1979 é também um dos anos importantes na história da RIEJU. O nascimento do TT 505 (com um escape tipo "cachecol") série MARATHON em 50 e 74cc. -apresentados no salão de Barcelona desse ano-, deram finalmente identidade e cor à marca: o verde supôs o reconhecimento associativo da marca em veículos todo terreno para os públicos. E também a especialização em motocicletas off-road, fruto do sucesso que obtiveram com esse modelo. Essa cor permanece ainda hoje associada com RIEJU, assim como o nome mítico que é para a marca falar de MARATHON: quase uma lenda na mente de aficionados pelo desejo de possessão que gerou desde seu nascimento e até a década dos 90: suas características e os sucessos a fizeram merecedora de ser parte da história do motociclismo espanhol. Também em 1979 começou a produção do modelo 50 AUTOMATIC KS.

Marathon 80cc.

Em 1980 foi apresentada a MARATHON 80cc. de Enduro e Cross com a qual se obtêm numerosos êxitos desportivos. Por sua vez, aparecia a motocicleta de estrada STRADA 75, com mudança de 5 velocidades e freio de disco dianteiro. A competição ofereceu à RIEJU um banco de provas excepcional que aproveitou criando a MR80 em 1984, digna sucessora da MARATHON. Esta moto, acumulava todas as experiências adotadas após anos de competição.

Novos modelos

No salão de Barcelona de 1985 destacaram-se os novos modelos. O SPRINT (um novo ciclomotor automático), a primeira modificação estética da MARATHON (a SUPER MARATHON 50, que por sua vez se transformaria na RV 50 em 1986). Nesse ano RIEJU recebe do Governo de Espanha a Placa de Prata ao mérito motociclista pela obtenção do subcampeonato do mundo de Enduro. Também se conseguem ganhar o Campeonato de Espanha de Enduro de 80cc. e o Campeonato de velocidade Junior 80cc. Em 1987, o número de produção foi de 8000 unidades, enquanto em 1990 se chegavam aos 15000 ciclomotores vendidos, quase todos com mudança de velocidades, o que colocaria a fábrica à frente do sector.

50 Aniversário

Em 1992, a RIEJU completa 50 anos de existência como sociedade, e celebrou-o com a apresentação do novo modelo WINDY, um ciclomotor automático com motor de scooter de mistura separada, freio de disco e espaço para guardar o casco sob o selim. Nesse mesmo ano realizaram-se os XXV Jogos Olímpicos em Barcelona.

Drac para novas gerações

Historia Rieju

Em 1993 nasce outro famoso veículo RIEJU: o ciclomotor 50cc. todo o terreno DRAC, que partilhará o mercado com a RR 50 (com uma carroçaria mais estilizada e garfo invertido). Fruto do acordo e colaboração com a CASTROL Espanha, nesse ano vêem a luz as primeiras versões da RR versão CASTROL. São motocicletas às que se lhes incorporam componentes de última geração, passando a ser os produtos top racing da marca.

Para a RIEJU, o modelo Drac constituiu uma nova vitória, reflectindo as novas gerações de utilizadores de ciclomotores. Naquela época, as transformações de motor e partes eram habituais; buscavam-se mais prestações e ao mesmo tempo se vislumbrava um futuro de personalização da motocicleta, que RIEJU soube aproveitar.

Ano Europeu do Diálogo Intercultural

Em 1994, a RIEJU entra no mercado francês, frequentando o Salão de Paris e começando as exportações nesse mesmo ano. Novidades como as novas versões do modelo RR 50 com motor de 6 velocidades e lubrificação separada, ajudam a RIEJU a ter uma excelente aceitação no país vizinho. Em França, a RIEJU situa-se como marca de prestígio muito rapidamente e graças ao esforço e empenho da nova geração RIERA, que aposta na exportação e na abertura de novos mercados.
Após a apresentação da RIEJU no salão de Colónia nesse mesmo ano, 1994, começou-se a exportar produto para a Áustria, Alemanha e Hungria.

No Salão de Barcelona de 1995 RIEJU apresentou sua primeira scooter, o FIRST, evolução baseada no modelo F-12 do fabricante italiano Malaguti com quem mantinha uma relação comercial. Este estava equipado com rodas de 12", freio de disco e uma linha agressiva. Também foram apresentados o CROSSER e o F-10 (estes fabricados por Malaguti e que RIEJU comercializaria em seu nome para ESPANHA exclusivamente). A scooter FIRST foi uma medida para poder vender fora do mercado nacional uma scooter RIEJU ante o boom dessa tipologia de produto, mas entrou em conflito com os interesses de Malaguti, e nunca chegou a ser fabricada em série. A relação comercial com o fabricante italiano foi interrompida.

RS1. O Princípio de um Sucesso

Historia Rieju 1996. Renovação da gama de estrada com o novo modelo RS-1, que significou uma pequena revolução por sua estética racing. Baseada no chassis de modelo RST fruto da colaboração com Malaguti, o resto foi completamente redesenhado em Barcelona. Era uma "pequena máquina de corridas". Neste mesmo ano começam a gestar-se projetos de motocicletas completamente novas, como o da futura MRX 50.

Para os mais jovens

Historia Rieju 1998. Reconstrui-se a antiga embarcação de montagem de bicicletas e instala-se uma 3ª linha de montagem para a nova MX50, o primeiro modelo infantil de motocicleta off-road com o qual a RIEJU cobre esse segmento. A marca sofre uma importante remodelação, deixando para trás o cavalo, adotando o símbolo "R" e dando à marca um sentido. O Salão Internacional do Automóvel e a Motocicleta de Barcelona do ano 1999, acolhe uma exposição de motos de competição Históricas de Rieju, e mostra a gama daquele ano combinada com a nova imagem, totalmente dirigida aos mais jovens motociclistas.

Também é em 1998 quando a marca chega a um acordo de importação e distribuição exclusiva dos modelos de scooter da marca italiana Benelli para Espanha. A colaboração foi alargada até 1999, tendo sido importadas 2000 unidades.

A internacionalização está se consolidando

Em 2000, a RIEJU consolida a exportação, representando 40% do total da sua produção anual. Esta percentagem aumentará progressivamente para 70% em 2007, paralelamente ao aumento constante da sua produção.
Nesse mesmo ano, é criado um departamento interno de assistência para atender diretamente aos cerca de 300 concessionários criados no mercado francês, melhorando notavelmente o serviço pós-venda RIEJU. No II Salão da Moto de Madrid, apresenta-se a Supermotard e a RR com um sistema de suspensão por bieletas (PRS, Progressive Racing System). Esta melhoria técnica, foi introduzida nos modelos sem aumento de preço.

O primeiro campeonato de Supermotard

Historia Rieju RIEJU, honrando o seu desejo de ajudar jovens promessas e novos pilotos, juntamente com a sua paixão pela mota, organizou em 2000 o seu primeiro Campeonato Nacional Supermotard ao lado da revista do sector Solomoto para descobrir novas promessas, num campeonato em que todos estariam em igualdade de condições e de custo económico mínimo para os participantes. O sucesso foi tal, que se organizou outra Copa no ano seguinte, ultrapassando fronteiras até o Principado de Andorra. No total, foram 4 anos consecutivos de Copa RIEJU Supermotard, de onde saíram pilotos que farão a diferença nos próximos anos em disciplinas como o Campeonato do Mundo de Velocidade. Pol i Aleix Espargaró (Campeão da Copa RIEJU de 2000 e 3º na Copa RIEJU 2000 respectivamente), ou Ricard Cardús são um bom exemplo.

Chasis perimetral

2001. Colocação de longo do modelo MRX com chassis perimetral (só a Gama RR mantém o chassis tubular de duplo berço). O modelo MRX de 2001 é dotado de uma estética off-road inovadora e equipado com componentes de última geração, além de aparecer uma versão com o motor melhorado em sua curva de potência. Os produtos "TOP" da marca passam a ter a denominação de PRO.

Nova família de novo

O ano do nascimento da RS2: 2002. Embora não sejam bons tempos (uma queda muito importante das vendas afeta a todos os fabricantes espanhóis), inicia-se a produção de um dos modelos mais conhecidos da marca hoje em dia. Uma motocicleta de estrada com uma cuidada estética avançada, que aparenta maior cilindrada e está equipada com o motor MINARELL AM6. Inicialmente ideada para cobrir duas cilindradas -50 e 125cc. -, foi apresentada em 50cc. numa versão que a tornou merecedora do primeiro prémio do prestigioso galardão internacional, outorgado pela MOTORCYCLE DESIGN ASSOCIATION em 2004 (na categoria de motocicletas até 200cc.).

Em novembro de 2002 foram apresentados os modelos MRX e SMX 125cc. 4T, equipados com uma motorização YAMAHA, depois de chegar a um acordo. Partindo da premissa de desenvolver modelos que se adaptem aos novos tempos e utilizadores: baixo consumo e uso lúdico, a RIEJU decide posicionar-se no mercado como a alternativa em motocicletas todo terreno de cómoda utilização, gerenciabilidade e confiabilidade em vez de oferecer -nesta gama-, alto desempenho de aceleração e velocidade de ponta. Com ar sofisticado futurista e caráter racing-esportivo, estes modelos tiveram uma boa acolhida em um mercado complexo.

Para aqueles que preferem se divertir

Em 2003, a RIEJU vendeu 19.530 unidades. Um aumento de 161,47% em relação ao exercício anterior. A marca RIEJU é conhecida e se consolida nos países é mais importante da U.E. com produtos como a MRX-PRO (que incorpora um cilindro especial rosa de maior potência desenvolvido em exclusivo por Minarelli para a marca de Figueres) ou a RS2-RIMATX.

No salão da Intermot foram apresentados os protótipos dos modelos MRX 450cc. e MRX 250cc. que criaram grande expectativa, não só pelas cilindradas mas pela estética e porque auguravam novos tempos de competição na RIEJU.

Expandindo os mercados

Em 2004, o produto exportado representa 67% da produção total. A RIEJU distribui directamente as suas motocicletas e ciclomotores em Espanha e França e tem importadores para o resto da Europa. Este aumento constante do volume de exportação torna a RIEJU merecedora do Prémio à exportação da Câmara de Comércio de Girona.

A nova opção de B1

No final de 2005, RIEJU apresentou o Naked NKD125, um cento e vinte e quatro tempos muito equilibrada (RS2 nu) e preço ajustado, com cuidados acabados e duas opções de acabamento (clássico com farol redondo e com cúpula e quilha desportiva, acabamento streetfighter). Naquela época, a companhia aproveitou para comunicar brevemente o novo rumo que ia tomar, introduzindo à imprensa o novo sentido da marca "for Every day adventure" (para a aventura de cada dia) como definição de para onde avançaria RIEJU num futuro imediato.

2006: investimento no futuro

Historia Rieju

Seguindo o lema "queremos vender aventuras com final feliz" RIEJU apresenta um novo conceito de veículo, o TANGO 125cc. Novidade sem precedentes fabricada também integralmente na fábrica de Figueres excepto o motor, de proveniência Minarelli- YAMAHA. Desenhada com estilo desde a experiência, sentimentos e paixão, é uma motocicleta entre uma enduro e uma trial com uma capacidade de mobilidade extrema, com uma sensação extra de segurança para o usuário graças à sua posição avançada e de acabamentos impecáveis: a melhor arma para surpreender em um mundo onde se limita o uso de veículos Off-road e cada vez mais o usuário busca a polivalência, versatilidade e diversão: atributos que definem a TANGO.

Num mercado florescente de motas de 125cc. , TANGO vem para expandir a quota de penetração de mercado da RIEJU, que nesse ano, só no mercado dos ciclomotores com troco é de 26,5% em Espanha.

É também em 2006, RIEJU e perante a necessidade de poder oferecer produto econômico para a mobilidade cidadã, que a RIEJU inicia relações comerciais com a empresa China SONIK, para a importação de duas scooters (toreo e Pacific 50cc. 4T) e cobrir assim o segmento da scooter com produto "low cost" sob diretrizes de qualidade RIEJU. Todos os produtos com exceção da linha "economic Mobility-scooter" são fabricados integralmente na fábrica de Figueres em Espanha, com o uso de componentes italianos.

Novidades requintadas. E mais um passo

Smx 125

Para a RIEJU, 2007 é um ano importante. Apresenta-se a nova TANGO em sua versão PRO e a MRX/SMX PRO 50 com motor NG2, a nova scooter toreo e Pacific 50cc. 4T, o modelo TANGO com uma motorização de 50cc 2T (versão rural), a scooter de "baixo custo" PACIFIC 125cc. uma bicicleta eléctrica e a RRX SPIKE, uma Supermotard com jantes de liga de alumínio com uma estética minimalista.

Também neste ano será apresentado um novo conceito de motocicleta all-road, que sendo a evolução mais jovem e dinâmica do modelo TANGO, possibilitará ao futuro proprietário a escolha personalizada de uma motocicleta única através do sistema "design, try and buy it" que está exigindo a adaptação do sistema produtivo. Além disso se abre uma nova linha de produto, a Ebike que busca cobrir as novas ideologias do deslocamento urbano com bicicletas elétricas.

NOVOS MODELOS DE ENDURO E SUPERMOTARD

Historia Rieju

Em 2009, a gama foi totalmente reestruturada com produtos adaptados às exigências do mercado. O lançamento do MRT 50 e Marathon 125 é realizado com um chassi de viga dupla perimetral onde a leveza e componentes de qualidade são trabalhados. A MRT converte Rieju na marca mais vendida de 50cc com mudança de marcha.

Além disso, as Marathon 250 e 450 de off-road são comercializadas com motor Yamaha WR, um produto de competição ao alcance de usuários e pilotos.

Um ano mais tarde e com a experiência da RS2, Rieju lança ao mercado o modelo de estrada Racing RS3 em motorizações de 50 e 125cc com motor Yamaha refrigerados a água. Consolidando a renovação total da gama.

NOVOS TEMPOS. INOVAÇÃO CONSTANTE. FUTURO SUSTENTÁVEL

Historia Rieju

No atual marco de rápidas mudanças socioeconômicas para novos posicionamentos de sustentabilidade, Rieju se redefine com uma importante mudança em sua abordagem de negócio, com uma aposta clara nos veículos sustentáveis com a fabricação de uma motocicleta elétrica específica e inovadora de construção 100% européia com fornecedores locais e montagem em nossa planta de Figueres (Espanha).

Rieju de novo, com um grande esforço para se adaptar cultural e economicamente, adianta-se à competição desenvolvendo em 2010 a MIUS (Mobilidade Individual Urbana Sustentável), um veículo que por seu peso (94 Kg.), sua velocidade (65Kms/h) e sua autonomia (50 Kms reais) é capaz de dar soluções às necessidades de deslocação e mobilidade nas cidades com um custo 7 vezes inferior a uma motocicleta de explosão MIUS é, sem dúvida alguma, a referência no setor de veículos elétricos urbanos de duas rodas.

A comercialização para as administrações públicas e o público em geral é a aposta vencedora para a sustentabilidade e a mobilidade nas cidades.

ONO to ONE

Historia Rieju Outro dos grandes avanços na inovação de Rieju, não foi no produto, mas nos sistemas de oferecer ao cliente um produto único. O conceito "One to One" um produto para um cliente. A configuração da gama completa de Rieju permite oferecer uma moto única para cada usuário, aumentando o nível de satisfação e o valor da marca.

NOVO CONCEITO DE NAKED

Em 2012 Rieju com base na RS3 o conceito Naked que se torna popular entre o público de pequena e grande cilindrada. A RS3 NKD 125 i 50 nasce com força no segmento menor.

Este ano se consolida Rieju como a marca mais vendida dentro do segmento de 125cc de mudança de marchas de campo.

RIEJU E AS SCOOTER

Em 2013, a expansão para outros mercados é necessária para procurar volumes de unidades, já que a crise faz retroceder notavelmente a nossa produção. Esta estratégia leva a marca a entrar nos segmentos de scooter nas cilindradas de 50 cc e 125 cc. Assim nasce a RS Sport 50cc um ciclomotor Racing com motor Minarelli refrigerado por água de altas prestações que atualmente está competindo no segmento de alta gama.

Em 2015 a marca lança na Feira de Milão (EICMA) a Cityline um megascooter com cilindradas de 125 e 300 para competir no mercado de scooter GT, com motores Piaggio refrigerados por água de última geração.

A Cityline torna-se a alternativa espanhola da scooter de grande cilindrada.

Historia Rieju

MOVILIDADE

Preocupado com a mobilidade nas cidades e o uso do veículo elétrico, Rieju em 2015 lança uma nova linha de trabalho com a incorporação à sua gama de bicicletas elétricas em versões de Mountain Bike e City. Da marca queremos estar presentes em todas as novas tendências que surgem dentro do setor de mobilidade e continuaremos trabalhando nesta linha com produtos elétricos

NOVAS HOMOLOGAÇÕES EUROPEIAS E4

As alterações à legislação europeia e o compromisso de Rieju de fabricar veículos menos poluentes e mais seguros, fazem com que a marca trabalhe profundamente na melhoria dos seus veículos e actualmente todos os seus produtos se adaptam plenamente às regulamentações europeias, tanto em ciclomotores como em motocicletas, sendo comercializados veículos com regulamentações que ainda não são aplicáveis, como no caso dos ciclomotores que distribuem produtos homologados em 2018.

Este afã da marca sua preocupação por ser competitivo e por estar à frente das necessidades dos clientes, tem contribuído para ter uma exportação de 80% de nossa produção e estar presentes em mais de 20 países do mundo, do Japão e do Nepal, passando pela Finlândia e mesmo Madagáscar, com filiais em Itália, França e Reino Unido.

O ano de 2017 Rieju completa 75 anos de montagem de sua primeira motocicleta. Um ano de novidades e de criação de novos produtos.

E 2020 e continuamos fazendo história.

E esperamos que você faça parte dela.